Pular para o conteúdo principal

Vi: Nome de Família

Acho que, provavelmente, esse foi o filme que mais desinteressadamente comecei a ver: estava sem sono, não era ainda meia-noite (ando dormindo lá pelas 2h por esses dias) e, entre "Sex and the City" e este aqui, do qual nunca havia ouvido falar, mas que, por ser da diretora indiana Mira Nair já ganhava uns pontinhos comigo, resolvi arriscar. O mais engraçado foi que, primeiro quase não vi porque não queria chorar vendo filme... E não lembro de ter chorado tanto vendo um filme há tempos!

Ashoke é um estudante indiano que, depois de um acidente de trem logo no começo do filme, decide ir estudar nos EUA e de lá volta, dois anos depois, procurando uma noiva. Conhece, através dos pais, a linda Ashima, que volta com ele para Nova York e lá começam a vida de casados. Logo nasce Gogol, o filho que leva o nome do escritor preferido do pai, o russo Nikolai Gogol (não direi o motivo para não lançar nenhum possível spoiler). Enquanto cresce, Gogol e a irmã se vêem... não divididos entre duas culturas, mas tentando permanecer indianos, respeitando os usos e costumes dos seus pais em meio a um mundo tão moderno quando o estadunidense.

A fotografia é lindíssima e é bacana ver a Índia pelos olhos de indianos, e não de diretores deslumbrados com o "exotismo" do país.

Mas, por que eu chorei tanto? Acho que porque, mesmo contando a história de imigrantes, o filme toca em temas muito mais universais, como família, como a relação que temos com nossos pais e como a aproveitamos ou não. Somou-se a isso o fato de que vivo em uma cidade cosmopolita, com dezenas de imigrantes que devem passar pela dificuldade de manter suas tradições presentes no meio de uma cultura tão distinta da sua. Como convencer o filho árabe a se casar com uma moça muçulmana ao invés da filha de gaúchos? Como respeitar o Ramadã saindo com amigos que comem e bebem durante o dia? Imagino que seja muito complicado...

Muito bom também o elenco do filme com atores que eu não conhecia: os que interpretam Ashoke e Ashima são atores de Bollywood. Kal Penn, que faz Gogol, é estadunidense e atuou naquele tipo de comédia que nem por amizade eu vejo. Mas são extremamente convincentes, envolvidos com a história.

O filme é baseado no livro "O Xará", de Jhumpa Lahiri e foi uma grata surpresa para minha madrugada de sexta-feira :)

Comentários

  1. Oieee amiga do coração........

    Como sempre sabe escolher bem os filmes,gostei muito do filme,e bem que vc falo que penso em mim quando assistia,por que é assim mesmo que acontece.È dificel mesmo pros pais manterem os filhos na cultura,mas como vivemos num país cheio de raças e culturas diferentes,é dificel não se misturar e acabar abituado a outra cultura.
    No meu caso me senti no filme em alguns momentos,no caso da familia aceitar outra pessoa de cultura diferente.No filme ele faz uma pergunta muito interessante,"Será que vale a pena casar com a pessoa da mesma cultura so pra agradar aos pais,e depois ver que essa pessoa não lhe fez feliz"???

    bom assistem ao filme que vale a pena

    bjoss no coração amiga

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo o filme, né?

    E bem "real" ao falar dos imigrantes e seus filhos "nacionais".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…