Pular para o conteúdo principal

Evangelização

Uma das coisas que acho mais bacana aqui no blog é que a coisa é bem ecumênica: tem os que não crêem em nada, mas tem espírita, evangélico, católico... E a gente vai seguindo muito bem convivendo assim, não vai?

A turminha daí de cima é a dos meus evangelizandos, a molecada de 13 a 15 anos que eu encontro todos os sábados à tarde lá no Centro pra conversarmos, seguindo um plano nada rigoroso de aulinhas. Este ano falamos do começo do Cristianismo, da vida de Jesus, do começo do Espiritismo e de temas voltados mais à idade deles: convivência no lar, auto-conhecimento, amizades, vícios...

Este é o meu 6º ano como evangelizadora e tive altos e baixos. Este ano é um dos altos, com uma molecadinha bem querida, curiosa, inteligente e esperta. E interessada, que é o que mais importa em um sábado à tarde, mormacento por natureza, sonolento depois do almoço.

Muitas vezes eu fico me questionando, quando ouço conversa deles - ano passado teve muito isso, este ano não - se tem alguma importância na vida deles o que ouvem ali, se vão colocar em prática e até que ponto confiam em mim para lhes passar informações e conversarem. Há algumas semanas tive uma resposta.

Durante o estágio de Português lá dentro da Itaipu encontrei um ex-evangelizando que agora estuda Engenharia Elétrica. Não vou dizer o nome dele por questão de privacidade - dele. No ano em que evangelizei a turminha dele eram uns 4 meninos e 1 menina. No começo eu achei que seria complicado lidar com os piás mas foi uma das melhores turmas que já tive! Esse mocinho em particular no começo tinha um jeito muito engraçado de me olhar e que eu interpretava como dúvida diante de tudo que eu dizia. E se encolhia - tipo moleque pequeno - quando eu dava o beijo na chegada. Aos poucos ele não foi fugindo do beijo e nem fazendo a cara de "duvido" ao que eu falava. E nesse dia que o encontrei, ele quis falar comigo, contar da sua vida, pedir conselho sobre uma amiga que passa por uma fase complicada. Ele abriu seu coração, falou por muito tempo ali e depois pelo MSN e, ao final, me agradeceu por ouvi-lo e disse que só eu mesma que poderia entendê-lo e dizer o que ele precisava ouvir. Disse - e sempre ele e o irmão menor falam isso ao me encontrar - que sente muita saudade de quando era meu aluninho - eu chamo todos assim, mesmo os que já não são pequenininhos... bom, pela foto dá pra ver que poucos são "inhos", né? rsrs - e que gosta muito de mim.

Fiquei comovida com tudo que ele falou - e escreveu - porque ele é um mocinho reservado e eu percebi o alívio dele depois de me ouvir e ler e a sinceridade no longo agradecimento.

Essa turma deste ano é muito fofa. A foto tiramos sábado passado na nossa festinha particular de revelação de amigo secreto. Eu tirei a Valeska, a tímida de blusinha verde - e quem me tirou foi a Carol, que está logo atrás dela e que tem uma história interessante no nosso grupo: a Carol ia em outro Centro que "fechou para reformas"; sim, muito esquisito, mas foi o que eles fizeram e aí ela veio pro nosso grupo. E sábado já falava de como seria no próximo ano, ali conosco, sem cogitar que terá seu grupo de volta no outro Centro. E disse, ao revelar que me tinha tirado, que eu era um dos motivos para ela continuar indo ali, porque me adorava muito.

Sim, eles aprendem o que a gente ensina, eles aprendem o que devem ou não devem fazer. E eles são tão queridinhos e fofos, que no final do ano, sabendo que boa parte mudará de ciclo em 2010, dá uma saudadinha antecipada de todo mundo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…