Pular para o conteúdo principal

As Ritas Hayworths do nosso dia-a-dia

Essa mulher linda da foto é Rita Hayworth, atriz estadunidense que viveu no século passado, fez muito sucesso lá pelos anos 1940 - 1950, e é considerada uma das mulheres mais lindas do seu tempo.

Já no final da vida, nas décadas de 1970 e 1980, Rita era vista andando trôpega, aparentando desorientação pelas ruas próximas a sua casa. Os "atentos" observadores não demoraram a contar que a atriz vivia bêbada.

Quando Rita morreu, em 1987, sua filha contou ao mundo que sua mãe sofria do Mal de Alzheimer desde os anos 1960. Era a doença, não a bebida que a fazia parecer "perdida" nas ruas.

Ontem, indo do trabalho pro supermercado, vi de dentro do ônibus um moço sentado na beira da avenida mais movimentada de Foz falando sozinho, ou com os que o olhavam, no meio da chuva que caía. Perto de mim logo veio o diagnóstico: "essa aí tá caindo de bêbado, hein?".

Não sei se estava bêbado. Mas também não sei se sofria de alguma doença mental ou física.

Quantas vezes não fazemos isso? Quantas vezes não tiramos conclusões sobre o que as pessoas têm apenas por um olhar? "Tá bêbado", "tá drogado", "é louco"... Eu acho pior ainda quando fazemos piada disso para outras pessoas.

Misérias humanas públicas me comovem. Eu tento não pensar no que causa a desorientação de uma pessoa na rua, o que faz outra cantar no meio da tarde em pé em um banco, o que um transeunte maltrapilho balbucia sozinho... Não tô dizendo que sou perfeita - moooooito longe disso! -, mas essa é uma das coisas que tento aprender a fazer.

Quantas Ritas bêbadas já não diagnosticamos pela rua? De quantas pessoas não rimos, não falamos, sem sabermos o que realmente acontece com elas para se portarem como se portam?

A gente podia pensar nestes "julgamentos" com mais atenção.

Pros que são cristãos, na verdade isso não é nada além de caridade. Pros ateus ou agnósticos, é ser humano, "só" isso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…