Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

"Divã" - fragmentos (1)

“(...)Não sei bem o que dizer sobre mim. Não me sinto uma mulher como as outras. Por exemplo, odeio falar sobre crianças, empregadas e liquidações. Tenho vontade de cometer haraquiri quando me convidam para um chá de fraldas e me sinto esquisita à beça usando um lencinho amarrado no pescoço. Quem me vê caminhando na rua, de salto alto e delineador, jura que sou tão feminina quanto as outras: ninguém desconfia do meu hermafroditismo cerebral. Adoro massas cinzentas, detesto cor-de-rosa. Penso como um homem, mas sinto como mulher. Não me considero vítima de nada. Sou autoritária, teimosa e um verdadeiro desastre na cozinha, Peça para eu arrumar uma cama e estrague o meu dia. Vida doméstica é para os gatos.”
Do livro Divã, da Martha Medeiros.

Meme literário

Pesquei esse meme no blog Mary Jo living home e gostei dele porque envolve uma das minhas coisas preferidas: leitura.
1 - Existe um livro que você leria e releria várias vezes? Não sei se posso dizer que é exatamente o mesmo livro, mas livros que giram em torno de O diário de Anne Frank, sempre que sai uma versão nova – por exemplo, uma lançada depois da morte do pai dela e com o texto na íntegra que antes ele havia “censurado”, ou a biografia dela, ou a da Miep Gries, a moça que os ajudou... – eu me interesso por ler. Também já li três vezes Vidas secas e leria uma quarta. Aliás, deveria, porque com certeza já veria o livro com olhos mais maduros.
2 - Existe algum livro que começou a ler, parou, recomeçou, tentou e tentou e nunca conseguiu ler até ao fim? Muitos e não vou lembrar de todos. De cara me lembro de Sagarana e Outras histórias, do Guimarães Rosa que acho que preciso tentar de novo. Tô tentando, mas não consigo lembrar do último livro que parei, provavelmente algum daquela lev…

Vi: Neve sobre os cedros

No post de ontem, falando do lindo do Eric Thal, comentei que tinha que falar deste filme aqui, que assisti anteontem à noite.
Fazia um tempão que eu tinha baixado o filme mas tinha tanta coisa pra ver, e tanta coisa pra fazer, que ele foi ficando de lado, tadinho.
Bom, o título é lindo e o filme, idem! 
A história se passa em 1951, em uma ilha no estado de Washington, onde estadunidenses brancos convivem no limite, logo depois da Segunda Guerra Mundial com uma colônia japonesa antiga na localidade.
Um pescador branco é encontrado morto preso na sua própria rede de pesca e logo Kazuo, americano filho de japoneses e herói de guerra, é acusado do crime. Enquanto isso, um jovem jornalista (Ethan Hawke), que desde piá é apaixonado pela esposa do acusado, descobre provas que podem inocentá-lo mas reluta em apresentá-las.
O filme trata da questão delicada e cheia de mágoas dos japoneses que foram mandados para campos de concentração durante a II Guerra Mundial e da incompreensão e desconfiança…

Ô, lá em casa!! (10)

Se você nunca tiver visto o Eric Thal, o bonitão aí de cima, eu vou entender. Nem sei a primeira vez que o vi, mas faz uns 10 anos e aí se seguiram uns 3 ou 4 filmes com ele, "coincidentemente" passando na HBO, que na época eu assinava. Isso nos anos 90.
Aí fiquei um tempão sem notícias do moço e, recentemente, baixei um filme com ele - e falarei do filme no próximo post, porque vale a pena.
Infelizmente a filmografia do Eric tem muito mais coisinha chulé do que coisa boa. Além de Neve sobre os cedros, o filme dele que vi recentemente, gostei de um com a Halle Berry e de um outro onde ele é o marido de uma moça envolvida em um assassinato. Não lembro o nome dos filmes em português, mas em inglês o com a Berry se chama The wedding e foi feito pra tevê - é uma minissérie - e o outro é The gun in Betty Lou's handbag
De qualquer forma, pra quem não é exigente, Eric vale os filmes ruinzinhos.
(E não perca o primeiro sorteio do blog, exclusive para quem já o acompanha e segue, aq…

Compreender as mulheres (Parte 1)

(Cliquem nas imagens que elas aumentam)






Para nos entender, basta um tiquinho de paciência... ;)
E não perca o primeiro sorteio do blog, aqui.

Presente pra vocês

Quem olhar ali do lado esquerdo vai ver que o blog já conta com 102 seguidores. Não gosto muito dessa palavra "seguidores" porque sempre me lembra coisa de seita religiosa. Então, vamos mudar, tem 102 pessoas fofas que, um dia, passaram por aqui e, acredito eu, acharam que valia a pena de vez em quando vir ler o que eu escrevia.
Quando o número de seguidores passou dos 90 eu levei um susto! Porque eu juro que nunca pensei que teria tanta gente me lendo! Sei que tem blog com mais de 1000 seguidores mas, pra mim, 30 eu já achava o máximo!
Bom, aí resolvi retribuir o carinho de quem acompanha o blog e decidi sortear um presente para os "seguidores", incluindo algumas pessoas que eu sei que lêem mas que não conseguiram se inscrever no Blogger por algum motivo mas deixam comentários ou falam de algum post comigo pessoalmente/via Twitter ou MSN - Fer Sperfeld, Wissam, Alex Melo, Claudio... tô falando de vocês, ok?
Aí fiquei pensando no que sortear. Primeiro pensei em um ki…

Tudo em família

(Este post teve que ser editado porque estava gigante! Segue agora na versão "ataiada")
Meu primeiro postaqui, em outubro de 2008 falava dos brechós familiares.
Quanta roupa a gente não compra e acaba usando nada ou muito pouco porque deixa de nos servir, ou descobrimos que não gostamos? Foi pensando nisso que inventamos os nossos brechós que acontecem na casa uma tia ou prima, ocasionalmente. Levamos roupas, sapatos, acessórios, maquiagens e sei lá mais o que, que não gostamos ou não usamos e tentamos trocar por coisas bacanas dos guarda-roupas alheios que nos agradem. Hoje fizemos um brechó na casa de uma tia minha. Voltei pra casa sem uma camisa branca, um vestido e uma bata animal print, uma blusa de malha colorida, um vestidinho verde e uma camisa de musselina estampadinha - eu tô parecendo muito perua com essa estampaiada toda mas não sou, juro gente! E levei comigo um blazer preto perfeito do qual precisava muito, um blush meio pêssego que peguei numa troca da minha mãe…

Mais bonita (13): Pro Longwear Concealer MAC

Mais uma série aqui do blog ressuscitada: Mais bonita. É que eu andava usando o de sempre, sem qualquer coisa nova que merecesse ser comentada, mas aí, finalmente conheci pessoalmente o corretivo da MAC do qual vos falo neste post e... ele merece muito, mas muito mesmo ser comentado!
(Já perceberam que gostei dele, né?)
Mas antes de falar dele, deixa voltar um pouco na história minha com corretivos. O primeiro corretivo que usei e gostei de cara foi o da linha Candeia, da Natura. Aliás, é um dos poucos produtos de maquiagem desta marca que eu gosto realmente - mas amo os cremes e sabonetes! Bom, tava eu usando o meu corretivo da Natura, já acabando, quando li em um blog que eles tinham saído de linha. Fiquei preocupada porque eles não são absurdamente caros e funcionam comigo - pras olheiras de panda e manchinhas no rosto. Aí ainda consegui comprar um tubinho novo que encontrei em uma lojinha de pronta-entrega.
Então, minha amiga querida Angelice foi pra Portugal mês passado e eu pedi pr…

Ô, lá em casa!! (9)

Cada um faz aniversário com quem merece: eu faço com aquele ator que fez o pai do "fantasminha" na novela das 6 antes de Araguaia. Minha irmã faz com o George Clooney :| Pois é.
O George - íntima! - fez 50 anos sexta-feira. O que eu acho mais legal é que ele tem cara de 50 anos, não tem cara de piá, não parece mais novo, não pinta cabelo... ele assume a idade e faz muito bem. Beleza não tem idade, e o mais novo cinquentão do cinema prova isso.
A primeira vez que o vi foi em um filme dos anos 80 chamado Loucademia de combate - obrigada Google por me ajudar a lembrar o nome do filme. Fiquei sabendo agora que foi o primeiro filme que ele fez. E eu gravei por causa dele :$
Bom, mas o tempo passou e aí ele apareceu em Plantão Médico - porque eu via na Globo, com esse nome, não como ER, ok? - e todo mundo se apaixonou por ele. A partir daí a gente já sabe a história: anos na série, depois cinema, moço engajado socialmente mas ainda com filmes bárbaros no currículo - Syriana, pelo qua…

Níver da minha irmã

Hoje a Flávia, minha irmã, tá fazendo 35 anos. Quem reparou que eu fiz 36 há menos de 1 mês percebe que nossa diferença de idade é bem pequena, pouquíssimo mais do que 1 ano, o que torna desnecessário dizer que não lembro da minha vida sem a Flávia fazendo parte dela.
Quando a gente era criança, até uns 7, 8 anos, era comum perguntarem se éramos gêmeas. TODO MUNDO perguntava isso em TODO LUGAR! Mas acho que era normal já que nosso tamanho era o mesmo, as feições muito parecidas e as roupas com poucas diferenças.
A medida que fomos crescendo, no entanto, fomos ficando bem diferentes, tanto por dentro como por fora. E nos afastamos aos poucos.
Quem acompanha o blog há mais tempo sabe o quanto é uma relação complicada na minha vida, infelizmente. Já nos magoamos muito, já dissemos coisas que, com certeza nos arrependemos de ter dito uma pra outra - eu me arrependo, pelo menos - e fizemos a outra chorar.
Há algum tempo as coisas estão melhorando. Posso dizer que ela começou a sua mudança e a…

Audrey Hepburn

A eterna "bonequinha de luxo" está nos TT's do Twitter hoje. Os TT's ou Trending Topics, são os assuntos mais comentados do dia, os nomes mais citados no Twitter. Fui atrás pra saber porque e descobri que hoje seria o seu 82º aniversário se ela estivesse viva.
Acho que já deixei transparecer aqui a paixão que tenho por ela e, na boa, quem nunca viu um filme com a Audrey não pode dizer que gosta de cinema!
Pra mim a Audrey é uma das atrizes mais singulares que já existiram, e não só por sua filmografia, mas por sua elegância, sua delicadeza, sua história de vida - ela passou parte da infância na Holanda sitiada pelos nazistas na II Guerra Mundial e chegou a passar fome - e sua generosidade no final da vida, quando foi embaixadora na Unicef, trabalhando na África, mesmo quando já doente - a Audrey morreu em janeiro de 1993, em consequência de um câncer no apêndice, aos 63 anos; tão nova! Há pouco, quando pensei em postar sobre ela, a primeira coisa que me veio a m…

Sobre a morte de Osama Bin Laden

Nunca pensei que quando descobrissem onde o Bin Laden se escondia eu acabaria escrevendo um post sobre isso simplesmente porque não achava que seria algo que importasse pra mim particularmente, ou que, como acabou acontecendo, me incomodasse tanto.
Incômodo, primeiro, por ver as pessoas nas ruas comemorando a morte de alguém, por pior que esta pessoa fosse.
Incômodo pela forma que aconteceu. Sinceramente, não consigo entender quem no Universo deu direito aos EUA de decidirem o que é melhor e mais correto pro mundo! Não entendo como alguém reage contra armas sem estar armado - isso depois de terem dito que a ordem era matá-lo e não prendê-lo. E se reagiu mesmo, comassim atirar na cabeça e não, sei lá, na perna?
Não tô dizendo que não deveriam prender o Bin Laden, lógico que não! Mas ele deveria ter sido preso, ter sido julgado por um tribunal internacional, ter tido direto a advogado e tudo mais a que qualquer criminoso, por pior que seja, tem direito.
Além de Deus no coração das pessoas,…