Pular para o conteúdo principal

25 em 2013 - Livro 2: As aventuras de Pi




Pra começar, como já disse quando comentei o filme baseado no livro aqui, não gosto deste título As aventuras de Pi. Na verdade, quando lançado em  2001, o livro no Brasil tinha recebido o mesmo título do original: A vida de Pi, que eu acho muito melhor do que esse título com cara de aventura infantil. De qualquer forma, nem isso conseguiu tirar o meu encantamento com o livro de Yann Martel - mesmo que eu tenha riscado todos os As aventuras de Pi do livro e substituído por A vida de Pi.

A primeira vez que ouvi falar dele, foi quando começou a discussão sobre o livro de Yann Martel ser ou não um plágio do livro Max e os felinos, de Moacyr Scliar. Sobre o assunto, o próprio escritor gaúcho falou de forma muito elegante - veja aqui. Essa história toda me criou certa resistência inicial diante do livro mas, depois do filme, quis muito ver como era  história de Pi no papel. E me apaixonei pelo livro tão intensamente como me apaixonei pelo filme!

Bom, Pi - Piscine Molitor - Patel é um rapazinho indiano que cresce em um zoológico e que, desde muito pequeno, se interessa por religiões tão diversas quanto o hinduísmo, o cristianismo - catolicismo, basicamente - e o islamismo. Quando está com 16 anos, depois de um acidente com o cargueiro no qual viaja com a família e vários animais do zoológico de mudança para o Canadá, Pi se vê sozinho em um bote salva-vidas com uma hiena, uma zebra e um orangotango - que logo morrem - e um tigre, Richard Parker, que será seu único companheiro ao longo dos quase 300 dias perdido no Oceano Pacífico.

Ler livros e ver filmes, nesta ordem, sempre costuma me trazer um gostinho de decepção. Hoje em dia até controlo melhor, principalmente depois de aprender que uma adaptação não precisa exatamente ser a transposição pras telas do livro, e que, para funcionar, algumas coisas serão modificadas, omitidas ou acrescidas.

No entanto, com Pi, em momento algum eu senti falta no filme de Ang Lee do que foi escrito por Martel e omitido, ou achei que o que ali estava - e que não está no livro - ficou "sobrando".

Referente à história, pouca coisa é diferente em um e em outro. A maior diferença, pra mim foi a crueza como Yann Martel descreve várias coisas que, no filme, até para uma "digestão" mais fácil pelo público, foram aliviadas. Como, por exemplo, a morte de um dos animais já no bote salva-vidas ou o que Pi teve que fazer para sobreviver.

O meu único porém seria para um tempo que Pi fica em uma ilha flutuante que encontra no meio do Pacífico: no filme ele fica apenas um dia e, uma das poucas críticas que ouvi de quem viu o filme foi que as cenas na ilha pareceram deslocadas e rápidas demais. No livro, Pi fica vários dias por lá e, por isso, nada parece fora de propósito ou rápido demais, além de que, o que ali acontece, é melhor explicado.

E Yann Martel escreve de um jeito delicioso! Como o livro é todo narrado na primeira pessoa - em parte pelo escritor que conhece Pi e, na maior parte, pelo próprio Pi - não tem como não nos sentirmos próximos dele, chorar com suas desventuras, se emocionar com seus sucessos, querer bem a Richard Parker como ele passa a querer!

A crueza que citei alguns parágrafos atrás me fez pular alguns parágrafos - porque eu sou aquele tipo de gente que fecha os olhos e tapa os ouvidos quando vê, na vida real ou no cinema, alguma cena mais violenta.

Muito comentada também é o papel forte da religião em toda a história, já que é o que guia e sustenta Pi em seus dias de náufrago. Martel defende a fé na história? Não sei. Mas Pi a defende. Para mim, que tenho uma religião, muito da beleza da história está na relação de Pi com Deus e com as religiões que professa. 

É complicado para um cético ou ateu ler o livro?

Não deveria ser, porque há muito mais aqui do que a questão religiosa.

Enfim, vale a pena ler o livro?

Muito! Depois da decepção com A casa das orquídeas, foi ótimo ler algo tão inspirador, bem escrito e apaixonante!!

Título original: Life of Pi
Autor: Yann Martel
Editora: Nova Fronteira
Edição: 1ª (com este título)
Ano: 2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é um "scammer"?

Eu fico tanto tempo sem escrever que, quando volto, fico com vergonha, pode?
Em minha defesa quero dizer que andei muito ocupada e sem nada de interessante pra escrever e que ando visitando os blogs que curto mas NÃO CONSIGO comentar há semanas! Sempre dá erro.
Mas, vamos ao que me motivou voltar a escrever um post. E senta confortável porque a história é longa mas muito séria e importante de ser conhecida.
Vocês já ouviram falar em scammer ou scam?
Scam, traduzindo meia-boca do original inglês, é um golpe, trambique, cambalacho. Scammer é quem o pratica. Na internet os scams mais conhecidos são aqueles golpes que com certeza vocês já conhecem de receber um email dizendo que tem um dinheiro em um banco africano e que você foi escolhido pra ficar com aqueles milhões. Já não recebeu um desses emails?
Mas existe mais um tipo de scam que tem se alastrado e que eu conheci este final de semana, da forma mais dolorosa: quase sendo vítima dele. É o scam romântico.
Se por um lado eu me enverg…

As calcinhas no varal

Hoje lavei minha roupa e, ao estendê-la no varal, fiquei chocada com a "qualidade" de boa parte das calcinhas que ali estavam.

As mulheres que têm entre 30 e 35 anos provavelmente cresceram ouvindo suas mães dizerem para cuidar com a roupa de baixo que usa porque se desmaiar na rua todos verão a calcinha velha, o sutiã com alça encardida - nem é o tema do post, mas quero avisá-las que é verdade! Um ex-colega de faculdade, bombeiro, diz que sim, eles reparam, mesmo nos momentos mais complicados de socorro, se as "moçoilas" estão com calcinha feia! - e falarão que a dona da lingerie é uma porquinha!

Daí hoje, olhando as calcinhas no varal, eu fiquei pensando que ali estavam aquelas calcinhas que normalmente eu usaria só pra dormir. Mas eu não só durmo! Ou seja, eu saí com boa parte delas!!

"Analisando" o varal, lembrei de que eu sempre tentei ser caprichosa com o que vestia por baixo da roupa. Mesmo quando era casada tentava usar lingerie arrumadinha e depois,…

25 em 2013 - Livro 5: Sua resposta vale um bilhão

Eu sinto tanto só agora escrever sobre Sua resposta vale um bilhão que li em fevereiro! Principalmente porque vou deixar muita coisa bacana do livro de fora. Mas gostei tanto que, mesmo assim, vale a pena.
Minha história com o livro é longa. Sou apaixonada pelo filme Quem quer ser um milionário - sobre o qual comentei efusivamente aqui, há 4 anos. Naquela época eu já tinha me interessado pelo livro, primeiro do autor - um diplomata indiano - mesmo correndo o risco de me decepcionar com o filme depois de lê-lo.
Namorei o livro longamente até que encontrei na Estante Virtual - um site que reúne sebos do Brasil inteiro - no comecinho do ano. Paguei R$ 4- sim, quatro reais! - por uma edição praticamente nova.
Quanto à história, muita coisa é diferente do filme - e necessário, se pensarmos na impossibilidade de adaptar um livro inteiro pra 2h de película. Escrevendo isso, o que me vem à cabeça é que, na verdade, o filme é inspirado na idéia central, do menino pobre, criado no mundo e que ganh…